A menina submersa: memórias ♥

“Fantasmas são essas lembranças fortes demais
para serem esquecidas, ecoando ao longo dos anos
e se recusando a serem apagados pelo tempo.”
Caitlín R. Kiernan, p. 23

Eu simplesmente amei essa história !! Mas, vamos com calma, chegarei nessa parte ♥.

Como contei para vocês nesse post aqui, eu recebi o livro A menina submersa da DarkSide Books em agosto. Logo que recebi, fiquei com muita vontade de ler, mas resolvi começar minha leitura com o A noiva fantasma, e só agora eu consegui terminar esse livro incrível da Caitlín R. KiernanA menina submersa: memórias ♥.

A menina submersa - Juliana Fiorese

A menina submersa: memórias, de Caitlín R. Kiernan, vai nos apresentar a história de ImpIndia Morgan Phelps – uma pintora e aspirante à escritora, que mora sozinha em Rhode Island, onde seremos transportados mágica e sinistramente à “uma história de fantasmas com uma sereia e um lobo” (p. 13).

A menina submersa - Juliana Fiorese

Imp sofre de esquizofrenia, herança genética de sua avó, sua mãe – ambas cometeram suicídio – e sua tia-avó – que colecionava coisas apavorantes – e, por isso, não sabe ao certo o que realmente aconteceu em sua vida e o que foi fruto de alucinação, enquanto escreve suas memórias em um livro – este que estamos lendo – como forma de exorcizar seus fantasmas.

A menina submersa - Juliana Fiorese

Em um de seus passeios solitários, à noite, enquanto sua namorada Abalyn resolve ficar em casa, Imp depara-se com uma menina nua, toda molhada, muito estranha e com aspecto sobrenatural, à beira da Rodovia 122, próxima ao rio Blackstone. E o que Imp faz? Leva a garota para sua casa.

A menina submersa - Juliana Fiorese

Não posso dizer que a história começa aí, pois,

“Nenhuma história tem começo e nenhuma história tem fim.
Começos e fins podem ser entendidos como algo que serve
a um propósito, a uma intenção momentânea e provisória,
mas são, em sua natureza fundamental, arbitrários e existem
apenas como uma ideia conveniente na mente humana”. (p.17)

mas posso dizer que esse é um dos grandes mistérios que assombram a mente e a vida de Impe a nossa também – ao longo da história.

A menina submersa - Juliana Fiorese

Somado ao aparecimento dessa personagem, que vamos ficar sabendo tratar-se de Eva Canning, temos a obsessão de Imp pelo quadro A menina submersa, o qual a protagonista vai relacionar à ele vários fatos que vem a acontecer – ou não – com ela. A obsessão de Imp transborda tal quadro – e também o assombroso quadro Fecunda Ratis – em uma mitologia que envolve seres fantásticos como sereias, lobos e fantasmas.

A menina submersa - Juliana Fiorese

A partir de suas memórias, entre verdades – factuais ou não -, Imp nos conta como foi/é a sua vida através de uma narrativa cíclica – contada em primeira pessoa e, às vezes, em terceira pessoa também – entre passado e presente, de uma maneira um tanto quanto desconexa, que ela escreve em seu livro/diário de memórias.

“O que não significa dizer que cada palavra será factual.
Apenas que cada palavra será verdadeira.
Ou tão verdadeira quanto eu consiga”. (p. 17).

Assim, percebemos o quão confusa a protagonista está e como nós, leitores imersos na mente de Imp, também ficamos confusos.

A menina submersa - Juliana Fiorese

A narrativa de A menina submersa é muito difícil e confesso que demorei um pouco a pegar o ritmo da leitura – acho que por não estar nem um pouquinho acostumada com esse tipo de escrita. Mas, depois que eu consegui entrar na atmosfera da história e imergir nos pensamentos, nos medos, nas dúvidas de Imp, passei a devorar o texto.

“(…) quero dizer, uma história “verdadeira”, ou o que chamamos de História,
somente pode produzir uma semelhança passageira com os fatos enquanto a
história é complexa demais para ser reduzida a algo tão distinto quanto uma
narrativa convencional” (p. 70)

A menina submersa - Juliana Fiorese

Quando conseguimos, ficamos comovidos, emocionados e apreensivos com tudo o que acontece com a protagonista. É uma história bastante densa, confusa, profunda, perturbadora e pesada. Eu indico demais a leitura, desde que você, leitor, pegue o livro com a mente aberta, sabendo que não vai ser uma leitura fácil e que tenha muita, muita sensibilidade, pois trata-se de uma protagonista que sofre de esquizofrenia.

A menina submersa - Juliana Fiorese

Você vai se deparar com algumas passagens que – para nós – não farão o menor sentido; vai se deparar com um capítulo muito louco, o capítulo sete (eu li esse capítulo duas vezes e não entendi nada. Acho que se eu lesse trinta vezes, ainda assim, não entenderia e, por mais que não tenha entendido absolutamente nada, ele foi um dos capítulos responsáveis por lagriminhas e coração apertado – quem ler vai entender o motivo), mas não desista do livro !! Vale muito, muito, muito à pena chegar no final da história.

A menina submersa - Juliana Fiorese

Acredito que é bem válido você pesquisar um pouquinho sobre a esquizofrenia antes de começar a leitura para entender as reações da Imp. Eu assisti no youtube uma entrevista do Programa do Jô com um psiquiatra contando como é uma mente esquizofrênica – vários sintomas que ele cita aparecem no livro -; vocês podem assistir aqui e aqui. Mas, é bem por cima mesmo. Dá para encontrar vídeos que explicam mais detalhadamente.

A menina submersa - Juliana Fiorese

A escrita da Caitlín R. Kiernan é maravilhosa, é convincente ao extremo e ela deve ter feito um estudo muito complexo sobre a esquizofrenia em si, para conseguir escrever esse livro com um olhar tão sensível à um assunto extremamente delicado.

A menina submersa - Juliana Fiorese

A maneira como ela escreve, que pode ser arrastada em alguns momentos, faz parte do contexto e, se lermos prestando atenção, é essa maneira de narrar a história – assim como os capítulos gigantes propositais – que vai nos transportar diretamente para o universo de Imp, fazendo-nos imergir profundamente em sua mente conflituosa.

A menina submersa - Juliana Fiorese

O livro é cheio de citações de autores, artistas, livros, filmes, músicas e pinturas, e isso nos permite conhecer várias das referências que a autora utilizou, ampliando ainda mais a nossa bagagem cultural, se formos atrás de conhece-las ♥.

Eu amei demais as partes em que ela cita, por exemplo, Moby Dick, nos momentos mais fortes da obsessão do Capitão Ahab, no ápice de sua loucura e que faz tanto sentido no contexto da nossa protagonista, Imp. Percebemos que as escolhas referenciais da autora não foram aleatórias, sabe? É incrível, gente !!

A menina submersa - Juliana Fiorese

A edição é maravilhosa !! O livro tem capa dura com laminação fosca e com alto relevo – a única parte com brilho é onde fica localizada a libélula no centro da capa, tem fitinha de cetim rosa combinado com a cor das laterais das páginas, que também são pintadas de rosa ♥, e não tem nenhum texto (nem o título, nem o nome da autora e nem o nome da editora, que vão aparecer apenas internamente).

A menina submersa - Juliana Fiorese

Todas as ilustrações que aparecem na capa e no interior do livro fazem muito sentido e estão muito ligados à história em diversos momentos, se formos para para analisar com calma.

A menina submersa - Juliana Fiorese

O livro é dividido em dez (longos) capítulos, a diagramação do texto é ótima, vem com uma margem grande, o tamanho da fonte é confortável, assim como o espaçamento entre as linhas, e as páginas ainda são amarelinhas ♥.

Eu achei a experiência de leitura bem tranquila com relação a esses pontos – a única coisa que me incomodou um pouco foi o tamanho dos capítulos, mas como já falei aqui, foi proposital.

A menina submersa - Juliana Fiorese

E, como não poderia faltar aqui nessa resenha, eu fiz uma fan art do quadro A menina submersa:

A menina submersa - Juliana Fiorese

Se você gostou do desenho e quiser imprimir, é só clicar na imagem abaixo para fazer o download (eu ficaria muito feliz em ver como ele ficou aí no seu cantinho. Se quiser me mostrar, é só me marcar no instagram @julianafiorese e usar a #julianafiorese):

A menina submersa - Juliana Fiorese

Lembrando que os desenhos disponíveis aqui no blog são para uso pessoal !!

Eu realmente me emocionei com essa história e espero que essa resenha tenha ficado um pouco clara, que tenha feito algum sentido – são tantas coisas interessantes  para contar sobre esse livro, que fiquei sem saber o que deveria ou não escrever aqui.

Admito que tive um pouco de dificuldade em passar as minhas impressões, pois trata-se de um livro bem complexo, mas eu precisava compartilhar essa experiência maravilhosa com vocês !! Eu fiquei muito satisfeita com essa história e já quero lê-la novamente.

A menina submersa - Juliana Fiorese

Alguém aí já leu o livro? O que vocês acharam da leitura? Quem não leu, ficou com vontade de conhecer a história da Imp? Me contem aqui nos comentários. Eu adoraria conhecer a opinião de vocês.

É isso, pessoal…
Muito obrigada por acompanharem até aqui ♥.
Espero que tenham gostado !!

Com carinho ♥, Juliana Fiorese.

Juliana Fiorese

0 comments

  1. Olá, Juliana, tudo bem?

    Muito bacana a tua resenha! Achei muito legal como você teve sensibilidade em falar das características não muito convencionais. A Caitlin é uma autora bem difícil mesmo, mas tem um estilo incrível. 😉

    Pelas próprias palavras dela, todos os seus livros são um pouco autobiográficos, e esse foi um dos mais difíceis para ela escrever. A Caitlin é esquizofrênica, lésbica, transsexual, gótica, usou drogas loucamente no final da década de 80 e início dos anos 90, foi vocalista de uma banda punk e sofreu na adolescência com o suicídio da namorada. Além disso, ela mora há alguns anos em Providence, Rhode Island, que também é a terra natal do H.P. Lovecrat, um dos autores mais influentes na escrita e na formação literária dela.

    O livro anterior dela, o The Red Tree, também toca em temas similares ao Menina Submersa. Eu acho que tu iria gostar dele. 🙂

    1. Oii Bruno !! Tudo bem sim, e com você ?!

      Muito obrigada !! Estou muito feliz em saber que você gostou da resenha de A Menina Submersa !! Obrigada !! Apesar de difícil, eu também achei a escrita da Caitlin maravilhosa !! <3

      Eu não sabia que Caitlin era esquizofrênica, acredita ?! Estou um pouco surpresa até… Apesar de, às vezes, durante a leitura, ter imaginado que só uma pessoa realmente esquizofrênica conseguiria se aprofundar da maneira que foi feita no livro.

      Eu ainda não conheço o The Red Tree… Será que já chegou no Brasil ?! Depois vou dar uma pesquisadinha !! Obrigada pelas informações e pela dica do novo livro !! Beijos !! <3 <3 <3

  2. Oi Ju,
    Estou no meu serviço, com o livro em mãos para lê-lo, porém já li diversas resenhas sobre este livro e lendo a sua agora, percebi que não é meu melhor momento para ler este livro.
    Estou na correria com os preparativos do meu casamento, trabalhando muito, enfim, sei que não vou conseguir dar a atenção que o livro merece. Mas lerei em outro momento.
    Enquanto isso, estou com Golem e o Gênio, A Noiva Fantasma e Onde Cantam os Pássaros para ler <3

    Beijos.

    1. Então é melhor deixa-lo para depois mesmo, Rafaela. É um livro bem pesado e cheio de detalhes, deve ser lido quando tiver um tempinho maior mesmo, para dedicar-se a ele. Mas ele é muito, MUITO bom !! Eu nunca tinha lido um livro desse jeito e fiquei apaixonada por ele. Com certeza esse é um livro que eu vou querer ler uma segunda vez !!

      Ei, felicidades no casamento !! <3 <3 <3 <3 <3 <3 Parabéns !!

      Ah, eu já li "A noiva fantasma" (também tem resenha aqui no blog). Ele é ótimo e é uma história bem fácil e leve. Eu gostei muito !! <3 <3 Ainda não li "Onde Cantam os Pássaros", mas já estou com ele aqui em casa para ler !! Espero lê-lo em breve. Aí venho aqui no blog contar as minhas impressões. <3

      Beijos !!

      1. Obrigada pela sinceridade sobre o livro, Ju… Já ía começar a lê-lo, mas li seu post antes. Os livros da Darkside são muito amor né?
        Obrigada pelas felicidades no casamento, estou em uma mega correria. Mas tudo ficará perfeito e lindo 🙂 (Assim espero!).
        Adorei o novo layout.
        Beijos.

        1. São muito amor mesmo !! Tanto o aspecto físico, quanto as histórias !! 😀 Eu estou adorando !! <3

          Ahh !! ficará perfeito e lindo sim o seu casamento !! <3 <3 <3

          Obrigada por notar o novo layout ahahaha !! Foi a primeira pessoa que falou dele. Fiquei feliz que gostou. xD Beijoooos !! <3

    1. Aaaah, Chell, acredita que eu também fiquei ? Foi mais no comecinho da história mesmo, mas do meio para o fim eu só achei perturbador !! Livro incrível, com certeza está na lista dos melhores que li esse ano !! <3 <3 <3 Beijos !!

  3. ju, esse livro mexeu comigo do mesmo jeito que parece ter re impressionado. achei a leitura densa e agoniante, mais ou menos como deve ser a linha de raciocínio de alguém tão consciente da própria esquizofrenia como imp. achei que os capítulos longos me forçaram a reler vários trechos várias vezes, caindo num looping que a própria personagem deixa claro no primeiro capítulo, de ser repetitiva. acho que, pra mim, amenina submersa também é a própria imp, presa numa mente com uma correnteza tão forte que a gente se sente num redemoinho. no meio da leitura, me peguei pensando na sensação da branca de neve na floresta, onde tudo era assustador e surreal, uma imersão no próprio medo, sei lá.. enfim. ainda tou digerindo o livro, e com certeza vou me reencontrar com ele daqui a um tempo. <3

    e tu, ta lendo o que agora?

    1. Keka !! Adorei as suas impressões sobre o livro (me identifiquei) !! Eu também fiquei pasmada quando terminei a leitura e demorei um tempinho para digerir a história. É incrível não é? Quando um livro consegue mexer de maneira tão intensa com a gente? A história fica repassando na nossa cabeça, como se o livro não tivesse terminado ainda !! Eu não tinha pensado sobre a menina submersa ser a própria Imp, mas faz TODO o sentido !! Adorei essa interpretação !! E me fez pensar que ela também poderia ser a Fecunda Ratis também, na tentativa de escapar de todos os problemas, né? Também vou reler esse livro, com certeza !! E mais certeza ainda, é descobrirmos mais detalhes em uma segunda leitura !! <3

      Agora eu vou ler Golem e o Gênio, e comecei o Hobbit também !! Ah, e tem o Eu, robô !! <3 <3 <3 Eu fico intercalando os livros, ahah !! xD Beijos !!

  4. Quanto mais eu vejo as pessoas comentando sobre esse livro, mais eu quero ler. As vezes eu até penso que não é muito pra mim, mas ai me aparecem posts como o seu e eu fico me corroendo de vontade de pegar pra ler.
    E que bonequinha mais fofa essa que você usou de modelo nas fotos hahaha morri com esse cabelo rosa!
    Beijos

      1. Não seei haha eu acho os livros da Dark Side muito lindos, mas não sou muito fã dos gêneros que eles trabalham sabe? Apesar que muito desse meu discurso vem do fato de eu ser mega medrosa e os livros da Dark Side serem mais pro lado de terror, suspense e etc. Não sei se esse livro se encaixa no tipo de leitura que eu gosto, tenho um pé atras, maaaas ele não sai da minha lista de desejados e é um forte candidato a aquisições do mês.

        1. Aaah, eu te entendo demais, Na !! Eu também sou o medo em pessoa. No começo da história eu fiquei com muito medo !! Até dormi de luz acesa um dia, ahahaha !! xD Mas aí, depois que a leitura foi fluindo mais acabou indo para um caminho que eu não estava esperando… Aí foi tranquilo. Mas é realmente um livro bem tenso, denso e perturbador. De qualquer forma, foi um dos livros mais legais que li esse ano. 😀 Só que acho que tem que ter uma preparação pra ler… Para as pessoas que tem medo, sabe? ahah xD Beijos !! <3

          1. Hahaha exatamente esse que é meu problema. Já sofro por antecipação. Nunca consegui ter coragem nem de Stephen King haha. Mas queria muito ler alguma coisa assim mais tensa e ver como seria minha reação de verdade em vez de só imaginar meu medo eterno durante a leitura haha
            Ainda estou tomando coragem, quem sabe não funciona intercalando com um livro bem feliz?

        2. Ahahaha !! Eu também nunca consegui ler Stephen King, Na !! Eu tenho aqui “O Iluminado”, mas nunca consegui passar das primeiras páginas (já tentei umas 3 vezes) !! Se for dar uma chance ao “A Menina Submersa”, essa ideia de ir intercalando com um livro bem feliz pode funcionar sim !! Eu também fiz isso, ahahahaha !! Eu estava lendo “Razão e Sensibilidade” da Jane Austen, no mesmo tempo que li “A Menina Submersa”. xD

  5. Estou de olho nesse livro desde que a DarkSide lançou essa edição maravilhosa (a 1ª não tinha me chamado atenção). Mas, se tem uma coisa que você deve saber a meu respeito é: sou muito medrosa! Aí junta a personalidade da personagem, as memórias e as coisas em relação à avó dela: não tenho coragem de ler HAHAHA
    Apesar disso, sua resenha me deixou MUITO curiosa, porém o medo ainda prevalece :/
    Adoro suas ilustrações Ju, acho que você arrasa e deveria ser mais conhecida! Sua fanart do quadro ficou um amor <3
    Todo o sucesso do mundo pra você, beijos!

    1. Aaaah, Ju !! Eu também sou o medo em pessoa !! ahaha !! Até dormi com a luz acesa um dia, no comecinho ahahahah !! Precisei confessar. Mas é que eu achava que ia ser um tipo de história, e foi outro, sabe ? Eu fiquei encantada com o texto !! <3 Mas, realmente, ele é um livro tenso, perturbador.

      Owwww, que linda !! Eu fico feliz demais em saber que você gosta do meu trabalho !! Muito obrigada mesmo !! Esse final de semana vou ver o post sobre crowdfunding que saiu lá no seu blog !! <3 Aproveito e deixo comentário lá !! <3

      Beijos !! Mais uma vez, obrigada !! <3 <3 <3

  6. Eu li e confesso que terminei com tantas dúvidas… Sinceramente, acho que precisarei ler de novo, me dedicando apenas à leitura (costumo ler no ônibus). E concordo com você quanto à escrita, a autora foi extremamente cuidadosa, não da nem pra acreditar que tudo aquilo não foi escrito pela Imp! Hahahaha

    1. Eu nem me imagino lendo esse livro em um lugar com barulho, Barbara !! No maior silêncio aqui em casa eu já achei SUPER difícil, imagina no ônibus, né? Dá uma segunda chance para o livro, que ele merece !! Se quiser trocar uma ideia sobre a história, pode enviar e-mail !! 😀 Beijos !! <3

  7. Ah, não acredito *—-*
    Eu AMO esse livro, fiquei encantada (e um pouco perturbada também) com a narrativa e a mitologia criada pela autora. Li no finalzinho do ano passado e acabei fazendo uma ilustração em homenagem, “Submersa”. Minha edição é a primeira, em paperback :/
    Muito amor <3

Deixe uma resposta