Moby Dick ♥

“… aí, então ele é maravilhoso,
seu livro impõe um silêncio na alma,
um temor reverente”. D.H. Lawrence (1923).

Matilda (1996) foi um dos meus filmes preferidos da infância. E desde que o assisti pela primeira vez, fiquei curiosa para saber mais sobre Moby Dick, o livro que a Matilda escolhe para ler no final do filme. Vou deixar o vídeo aqui para vocês lembrarem (ou conhecerem) a cena que estou falando:

Somente agora, depois de quase 20 anos, eu resolvi embarcar nessa leitura. E que leitura !! A edição que li foi a edição da Cosac & Naify em formato de e-book, no kindle. Mas já quero essa versão impressa, pois é certeza absoluta que irei reler a história; esta tornou-se uma das minhas preferidas ♥ !!

Moby Dick - 01 - Juliana Fiorese

ISBN: 857503670X | Cosac & Naify | 656 páginas | 17 x 24 cm

Bom, o livro conta a história de uma longa caçada à baleia branca, Moby Dick. A tripulação do navio, chamado Pequod, é constituída principalmente pelo capitão do navio: Ahab; pelos três imediatos: Starbuck, Stubb e Flask; por três arpoadores: Tashtego, Daggoo e Queequeg; por Fedallah, uma figura estranha que aparece depois de muito tempo na leitura; por Perth, o ferreiro; e, por fim, por Ishmael, o narrador, que inicia a história com uma das frases de início de livro mais famosas do mundo: Call me Ishmael. Enquanto eu lia a história, desenhei a minha versão do Ishmael, até postei uma foto no instagram.

Moby Dick - 02 - Juliana Fiorese

Além de uma história sendo narrada, Moby Dick é também um riquíssimo conjunto de observações e especulações, de descrição sobre as baleias – especificamente sobre as baleias Cachalotes – e sobre os processos da pesca baleeira. Moby Dick é uma ficção romântica, mas também existem afirmações de fatos absolutos, observações pessoais do autor, capítulos com textos muito técnicos e científicos. Tem sátira, tem humor, tem filosofia, tem ousadia.

Eu fiquei tão imersa na leitura que, os próprios capítulos explicativos começaram a me parecer muito necessários. São capítulos que demoram, que são arrastados, mas, de que forma melhor o autor poderia me fazer sentir-se imersa em uma viagem que duraria em torno de 3 ou 4 anos? Foi como se Ishmael estivesse conversando comigo no convés do navio em noites calmas da viagem, olhando a luz da lua e das estrelas. É incrível. Acho que todas as chances do mundo deveriam ser dadas para essa leitura (a minha durou dois meses).

Moby Dick - 03 - Juliana Fiorese

E os últimos capítulos do livro – antes da caçada à baleia branca -, são tão incríveis e capazes de te inserir de maneira tão verdadeira naquele universo, como se você estivesse mesmo no Pequod. Seu coração fica tão imerso na história que você torce para que, em algum pequeno momento de lucidez do capitão Ahab, a aventura termine ali e todos, à salvo, voltemos (sim, porque nessa altura já fazemos parte da tripulação do navio) para Nantucket. Eu poderia terminar a leitura no capítulo 132 e ficaria satisfeita. Talvez por medo de me deparar com Moby Dick ou, como realmente fiquei: esperando mais capítulos explicando sobre qualquer coisa que envolvesse baleias, navios, caçadas baleeiras aleatórias porque, simplesmente, eu não queria que a história terminasse. E nesse momento você entende todos aqueles capítulos explicativos e sente falta deles.

Uma mistura de ansiedade, de empolgação e aflição antes de ler os três últimos capítulos da história tomou conta de mim, assim, por inteiro. E os três capítulos da caçada foram tão tensos, que precisei de pequenas pausas entre eles, para respirar.

Melville é um mestre do movimento físico caótico e violento; ele consegue manter uma caçada selvagem inteira sem uma falha sequer”. D.H. Lawrence.

O livro é composto por vários capítulos que, apesar de alternarem-se entre curtos e longos, acaba facilitando a leitura. Além disso, ao longo do texto, nos deparamos com algumas notas de rodapé, que nos ajudam a entender alguns contextos históricos; porém, senti falta de mais notas. Muitas referencias que o autor usa não são explicadas, e acredito que o material ficaria muito mais rico se as trouxesse (mas, de certa maneira, dá para entender, pois o livro físico ficaria muito grosso e pesado).

A experiência de leitura, para mim, foi incrível !!

Moby Dick - 04 - Juliana Fiorese

Eu intercalei a minha leitura no kindle com outras quatro edições de Moby Dick: uma história em quadrinhos, dois livros infantis, e um livro pop-up (cuidado que as fotos a seguir podem trazer (spoilers).

Moby Dick - 05 - Juliana Fiorese

ISBN: 978-85-04-01 187-6 | Companhia Editora Nacional | 48 páginas | 18,1 x 26 cm

A história em quadrinhos foi publicada pela Companhia Editora Nacional, em 2010, com adaptação de Sophie Furse e ilustrações de Penko Gelev. Esse livro pontua –  literalmente – bem todos os acontecimentos do texto original, e foi muito legal ver as situações da aventura ilustradas nesse formato.

Moby Dick - 06 - Juliana Fiorese

Moby Dick - 07 - Juliana Fiorese

No final dessa edição o leitor depara-se com textos extras sobre Melville (vida, educação, viagens marítimas, ele como escritor, sua vida antes e depois de Moby Dick); além disso, traz uma linha do tempo com a história de vida do autor e o que estava acontecendo nos Estados Unidos e na Inglaterra naquela época e, por fim, traz o legado de Moby Dick (na literatura, no cinema, na televisão e na cultura popular) e fala um pouco sobre a indústria baleeira no tempo de Moby Dick.

Moby Dick - 08 - Juliana Fiorese

Moby Dick - 09 - Juliana Fiorese

Na foto a seguir estão as duas edições dos livros infantis que li. A da esquerda (e queridinha – gente, esse livro é uma grande obra de arte, com muitas pinturas incríveis) foi publicada pela editora SM, em 2013, com as belíssimas ilustrações de Jame’s Prunier. A edição da esquerda foi publicada pela editora FTD, em 2014, com ilustrações de Abigail Ascenso. Ambos os livros são um “resumão” do texto original e, talvez por coincidência, em nenhuma dessas duas edições são narrados os encontros que o Pequod teve com os vários navios – com exceção do Raquel – ao longo da viagem e nem a tempestade que os marinheiros enfrentaram.

Moby Dick - 10 - Juliana Fiorese

Moby Dick - 11 - Juliana Fiorese

ISBN: 978-85-418-0271-0 | SM | 64 páginas | 26 x 34 cm

Moby Dick - 12 - Juliana Fiorese

Moby Dick - 13 - Juliana Fiorese

Moby Dick - 14 - Juliana Fiorese

Moby Dick - 15 - Juliana Fiorese

Essa edição de Moby Dick, publicada pela SM, é um dos livros mais bonitos que eu tenho !! A história é toda dividida por capítulos, o que facilitou bastante acompanhar a minha leitura do kindle sem avançar em alguma parte que eu ainda não havia lido.

Moby Dick - 16 - Juliana Fiorese

ISBN: 978-85-322-9889-8 | FTD | 40 páginas | 23,5 x 26,5 cm

Moby Dick - 17 - Juliana Fiorese

Moby Dick - 18 - Juliana Fiorese

Moby Dick - 19 - Juliana Fiorese

Já essa edição publicada pela FTD traz um texto corrido, sem nenhuma divisão de capítulos.

Assim como o livro com ilustrações do Jame’s Prunier, o livro Moby Dick – Adaptação em quadrinhos na versão pop-up editado pela Publifolha, em 2009, de Sam Ita, é um dos livros mais bonitos que tenho aqui em casa. Algumas das cenas mais importantes da aventura saltam de maneira mágica aos nossos olhos a cada página que viramos. É uma edição maravilhosa, com seis páginas em pop-up. E, gente, eu não canso de abrir esse livro. É incrível !!

Moby Dick - 20 - Juliana Fiorese

ISBN: 978-85-7914-007-5 | Publifolha | 14 páginas | 23,5 x 29 x 3 cm

Moby Dick - 21 - Juliana Fiorese

Moby Dick - 22 - Juliana Fiorese

Moby Dick - 23 - Juliana Fiorese

Moby Dick - 24 - Juliana Fiorese

Moby Dick - 25 - Juliana Fiorese

Para aproveitar esse post e finalizar a minha resenha e coleção de Moby Dick, também tenho esse livrinho (para bebês) Moby-Dick, an ocean primer, publicado pela editora Gibbs Smith, em 2013, com texto de Jennifer Adams e ilustrações de Alison Oliver. Esse livro é todo em inglês e traz ilustrações, pequenos textos e palavras indicando a tripulação do Pequod, aves marinhas, peixes e alguns objetos que os marinheiros usam. É muito fofo!

Moby Dick - 26 - Juliana Fiorese

ISBN: 978-1-4236-3204-7 | Gibbs Smith | 16 páginas | 17,5 x 17,5 cm

Moby Dick - 27 - Juliana Fiorese

Moby Dick - 28 - Juliana Fiorese

Para completar a minha aventura com a história, acabei assistindo o filme Moby Dick, de 1956. É muito bom você ver os personagens pelos quais você sentiu um certo apego ganharem vida na tela. O filme é bem rápido, deixa de lado alguns pontos, mas o diretor escolheu os momentos certos da história para representa-los (sugiro que leia o livro antes, para poder sentir toda a emoção) e não deixar o filme muito longo.

Procurei muito o filme 2010: Moby Dick para assistir, mas não encontrei em lugar nenhum; o que me deixou muito triste. E agora estou aguardando ansiosa o filme In the heart of the sea, que será lançado em dezembro desse ano. Deixo aqui o trailer (vai ser in-crí-vel):

Como acredito que já deu para perceber, eu gostei muito da história de Moby Dick e, com toda a certeza do mundo, ela tornou-se uma das minhas preferidas ♥. Vocês já leram? O que acharam? Me contem nos comentários, adoraria trocar uma ideia com vocês. Espero que quem ainda não tiver lido, sinta-se empolgado para começar essa leitura.

Moby Dick - 29 - Juliana Fiorese

Pois com uma sensibilidade física e vibracional completa, como uma antena, ele [Melville] capta os efeitos do além-mundo. E também registra, quase além da dor ou o prazer, as transições extremas da alma isolada e muito distante, a alma que agora está sozinha, sem nenhum contato humano real”. D.H. Lawrence (1923).

Muito obrigada por acompanharem o post até aqui, espero que tenham gostado. ♥

Com carinho ♥, Juliana.

Juliana Fiorese

0 comments

  1. Os pais são bons exemplos, eu preciso deste livro. Moby Dick é épica, uma história que ilustra grandes cenas, preocupações filosóficas e dualidade que encontra-se em todas as criaturas. A história da grande baleia branca, é um magnífico dramatização do espírito humano em um cenário de natureza primitiva. Actualmente encontro-me ler este clássico, tomar algumas páginas e ele realmente está me cativar. Eu só vi o filme No Coração do Mar do Ron Howard é, e é um espetáculo visual bastante interessante que recebe cenas específicas com força suficiente. Uma grande história, grandes performances, grandes efeitos especiais e cenas de ação enérgicos, mas talvez o script é um pouco dispersos querendo cobrir muitos tópicos, a mensagem final não deixa de ser claro e não consegue mover como deveria.

    1. Oiii Paula !! Você definiu a história de Moby Dick muito bem !! E que bom que estás gostando da leitura. Certamente irei ler novamente este clássico maravilhoso !! <3 Eu também gostei muito do filme "No Coração do Mar", mas ainda não li o livro… Preciso ler !! Afinal, foi a história que inspirou Melville a escrever Moby Dick. Assim que eu ler, venho aqui contar o que eu achei do livro. <3 <3 <3 Abraços !!

Deixe uma resposta